Atividade Física Melhora O Aprendizado Da Criança

Crianças que praticam atividades físicas tendem a ser mais inteligentes na adolescência e vida adulta, diz um estudo feito por cientistas da Universidade de Illinois (EUA). Segundo os pesquisadores, a prática de exercícios também pode melhorar a memória e os distúrbios de atenção. Os autores ressaltam que o estudo é muito importante, já que, devido ao uso exagerado de computador, videogame e televisão, cada vez menos crianças buscam se divertir ao ar livre, praticando atividades físicas.

A pesquisa envolveu um grupo de 490 crianças com idade entre nove e dez anos. Elas foram submetidas a exames de ressonância magnética, testes de aptidão física, testes ergométricos e de memória, além de responderem a um questionário sobre a prática de atividades físicas.

Os pesquisadores observaram pela ressonância magnética que as crianças que praticavam exercícios e que tinham melhor preparo físico apresentavam maior atividade cerebral do que aquelas que eram sedentárias, um forte indicativo de que esse grupo teria maior facilidade de aprendizado. Além disso, as crianças que se exercitavam tiveram um resultado 12% melhor em testes de memória do que aquelas que tinham hábitos mais sedentários.

Segundo os autores do estudo, durante a prática de atividades físicas, a criança recebe uma série de estímulos sensoriais que fazem o hipocampo, área do cérebro responsável pela memória e aprendizado, ficar mais ativo, aumentando a inteligência da criança. 

Papel da família

O sedentarismo e a obesidade infantil são problemas que cada vez mais preocupam os médicos. Além da prática de atividades físicas, a presença da família é fundamental. Segundo um estudo feito pela University of Illinois, refeições com toda a família pode ser a peça chave para evitar distúrbios alimentares, obesidade e nutrição inadequada.

A pesquisa liderada pela University of Illinois, nos Estados Unidos, baseou-se na revisão de 17 estudos recentes sobre padrões alimentares e nutrição, totalizando mais de 182 mil crianças e adolescentes. Os especialistas observaram quantas pessoas estavam acima do peso, tomavam pílulas para controlar o peso, induziam vômitos, utilizavam laxantes e diuréticos, ficavam em jejum, comiam muito pouco, pulavam refeições ou ainda fumavam para enganar a fome. 

Os resultados mostraram que adolescentes que faziam pelo menos cinco refeições por semana com suas famílias tinham 35% menos chances de ter problemas ligados à alimentação. Crianças que comiam pelo menos três vezes por semana em suas casas apresentaram uma probabilidade 12% mais baixa de ter excesso de peso. Além disso, as chances de consumir alimentos mais saudáveis em refeições caseiras foi 24% maior.

Ainda que não seja possível sentar-se à mesa com a família durante sete dias por semana, os autores do estudo aconselham que os pais estipulem cotas mínimas para que seus filhos comam em casa. A reunião também é essencial para que sejam identificados sinais precoces de padrões alimentares negativos.


EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

Escolar

Foto: divulgação