Recife, Capital Do Basquete Escolar

Celeiro de jovens promessas do esporte, Pernambuco sedia o sexto Campeonato Brasileiro de Basquete Escolar. Desde ontem até o sábado (08), cerca de 800 atletas com idade entre 14 e 18 anos entraram em ação nas duas quadras-sedes do torneio, a da Universo, na Imbiribeira, e a do Centro Esportivo Salesiano, na Ilha do Leite. Realizada pela Confederação Brasileira do Desporto Escolar (CBDE) e Federação do Desporto Escolar de Pernambuco (FEDEPE) em parceria com a Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, a competição vale vaga para o Mundial da modalidade, previsto para o final de abril, em Porec, na Croácia. A cerimônia oficial de abertura com todas as delegações acontece hoje, às 19h, no ginásio do Colégio Salesiano.

São 48 equipes masculinas e femininas de todos os Estados Brasileiros mais o Distrito Federal competindo no Recife em busca do título e da classificação para o Mundial. Por ser sede do evento, o Estado será representado por quatro times: Colégio Salesiano e Colégio Santa Emília (masculino), BJ Colégio e Curso e Colégio Agnes (feminino). As duas vagas para a Croácia serão dos primeiros colocados nas duas categorias. 

Atual campeão da competição, título conquistado em 2014, em Uberaba/MG, o que garantiu a participação no Mundial, realizado em 2015, em Limoges, na França, o time do Salesiano está preparado e pretende ir longe no certame. Há 9 anos à frente da equipe, Guilherme Negreiros ressalta a nova formação do grupo e destaca a entrega em quadra. 

“Estamos treinando todos os dias desde fevereiro visando este torneio. O Salesiano foi campeão comigo na última edição, e com esse título inédito para o Estado os meninos estão numa expectativa absurda. Nós sabemos que não temos uma equipe tão experiente quanto a outra. Esse grupo que eu estou treinando agora tem faixa etária de 15 anos, ou seja, é outra geração que está se formando. Bem talentosa também, infelizmente a equipe é tem uma estatura menor em relação à outra (campeã), mas corre e treina bastante, é bem aplicada e vamos com tudo tentar o nosso melhor”, disse Guilherme Negreiros. 

A pouca idade dos atletas é umas das principais características das equipes pernambucanas, fator importante para o alto rendimento e a troca de experiências com os adversários em quadra. Quinto colocado no Brasileiro Escolar, melhor marca a nível nacional, além de alguns títulos estaduais e participações em campeonatos promovidos pela Federação Pernambucana de Basquete, o time do colégio Santa Emília entra focado na competição, com o objetivo de vencer uma etapa de cada vez. 

“Intensificamos os treinos após a seletiva pernambucana e passamos a treinar todos os dias. Os meninos estão um pouco ansiosos, mas eu não gosto de criar muita expectativa não. Costumo dizer que nesse tipo de competição que a gente joga todo dia e geralmente num período curto, temos que matar um Leão por dia, jogar cada partida, pensar naquele dia. Depois do jogo é que a gente se concentra no próximo adversário ou em se recuperar, se houver uma derrota”, afirmou a treinadora Monica dos Anjos. 

Monica ainda ressaltou a importância do Campeonato para o intercâmbio técnico entre os jogadores. “Um campeonato desse, além de a gente ter um intercâmbio com os outros Estados, que são mais fortes na modalidade, cria uma expectativa em torno disso, de ver boas equipes e poder enfrentá-las. Se formos sair da região Nordeste, toda viagem sai muito cara, quando o Campeonato é no Recife e vem muitas equipes é muito importante participar”, endossou.

Armador e capitão da equipe, Gustavo César Oliveira é o jogador mais experiente do elenco e veste a camisa do Santa Emília desde 2008 quando conheceu o esporte. Eleito o MVP da seletiva pernambucana, ele espera passar pelos primeiros oponentes e se classificar para a próxima fase. “Vamos por partes, o primeiro objetivo é ficar em primeiro na nossa chave que é contra Mato Grosso do Sul e Goiás, mas tenho, sim, muita expectativa em chegar na final”, comentou o camisa 85 do Santa Emília. 

Um das duas equipes pernambucanas femininas na competição, o colégio Agnes tem como diferencial a coletividade. Figura carimbada nas quadras e recém-chegado no comando do grupo, o técnico Mário Ramirez conta com os destaques individuais e a entrega em quadra para ganhar ritmo de jogo e avançar no torneio. “Temos atletas com características diferentes. A base do grupo vem jogando junta há quase quatro anos, por isso o jogo coletivo é a nossa principal arma. Como destaque individual temos a ala Marília Melo, 15 anos, que é uma das cestinhas do time. Além dela, a armadora Wedyla de Lima, alagoana, é um grande reforço para este ano, pois possui muitos recursos contando com excelente aproveitamento de arremessos e ótimos passes”, contou Ramirez. 

“A competição é importante para o nosso grupo aprender e vivenciar jogos de alto nível. Será um momento único jogarmos diante da nossa escola, da nossa torcida e podermos aprimorar nosso basquete. Não tenho duvida de que participar do Campeonato Brasileiro será um divisor de águas na carreira das atletas”, finalizou.


FOLHA PE

esportes

Foto: divulgação