Motivação Em Atletas Universitárias Do Sexo Feminino Praticantes Do Futebol De Campo: Um Estudo Piloto

Este estudo tem como objetivo identificar os aspectos motivacionais em jogadoras universitárias do sexo feminino do futebol de campo, uma vez que estes podem ser orientados para tarefa ou orientados para o ego. O procedimento metodológico utilizado foi uma Pesquisa de Campo, do Tipo Experimental (MARCONI e LAKATOS, 2002), com atletas do sexo feminino jogadoras de futebol de campo (n:19) de idade entre 20 e 29 anos, na qual utilizamos uma escala de motivação - TEOSQ (TASK AND EGO ORIENTATION IN SPORT QUESTIONAIRE), Questionário do Esporte de Orientação para Tarefa ou Ego – desenvolvida por Duda (1992), traduzido, adaptado e validado por Hirota (2006). Esta escala é do tipo Likert de cinco pontos, onde cada indivíduo é convidado a indicar o seu grau de acordo ou desacordo entre 13 afirmações divididas em orientação para tarefa (total de 07 itens) e orientação para ego (total de 06 itens), cuja finalidade é a de avaliar as diferenças individuais em perspectiva do objetivo ajustado ao esporte, detectando se o indivíduo é prone a ser orientado para tarefa ou orientado para ego. Os resultados obtidos com o calculo do Coeficiente Alfa de Cronbach de orientação para tarefa atingiu o valor de 0.81, enquanto na orientação para ego o valor de Alfa foi de 0.71. As médias atingidas na orientação para tarefa foi de 4,19, e de orientação para o ego de 2,10, mostrando resultados compatíveis com a literatura existente. Podemos concluir que a escala proposta para identificar o clima motivacional nos mostra eficiência em sua aplicação em mulheres futebolistas de nível universitário, confrontando os resultados obtidos previamente em estudos de outros autores. Verificamos também que as atletas analisadas  apresentam-se orientadas para tarefa, ou seja, trabalham mais, cooperam mais com o grupo e demonstram mais segurança em seu comportamento. Veja arquivo anexo.