Avaliação Da Percepção Subjetiva De Esforço E Da Frequência Cardíaca Em Mulheres Adultas Durante Aulas De Hidroginástica

A hidroginástica objetiva melhorar ou manter níveis de aptidão física relacionados à saúde, especialmente em adultos. No planejamento das aulas de hidroginástica, um dos aspectos que merece atenção refere-se à intensidade do exercício no meio líquido e sua forma de controle. Este estudo objetivou avaliar a percepção subjetiva de esforço (PSE) e a freqüência cardíaca (FC; bpm) em mulheres adultas, durante aulas de hidroginástica. Participaram doze mulheres (51,1 + 1,6 anos), praticantes da modalidade há pelo menos 3 meses. A FC foi mensurada por freqüencímetros e a PSE foi obtida através da Escala de Borg (15 pontos). Os dados foram coletados em três momentos distintos (aos 10, 20 e 30 minutos de cada aula), durante a realização de três seções de hidroginástica, distribuídas ao longo de uma semana. A análise estatística empregou o teste Anova e correlação de pearson, com nível de significância de 0,05. Para a FC, encontrou-se diferença signifi cativa aos 10 minutos entre a 1ª e 3ª aula, e aos 20 minutos entre a 1ª e 2 ª aula. Para a PSE, não houve diferença signifi cativa entre suas médias. Observou-se relação entre FC e PSE somente aos 30 minutos da 1ª e da 2ª aula. Concluiu-se que a escala de Borg não foi um bom método para controle de intensidade durante as aulas de hidroginástica para o grupo estudado.

Veja texto completo em anexo.