10 Erros Do Personal Trainer

1. Imersão sem preparo ao mercado de Personal Trainer:

Hoje em dia, uma grande parte dos estudantes de Educação Física pensam em se tornar um Personal Trainer e muitos já começam a atuar como tal mesmo antes de se formar. Nesse mercado tão competitivo e em constante crescimento, é natural que possíveis clientes ao se deparar com um atendimento “diferenciado” nas salas de musculação, sintam-se tentados em contratar esses jovens profissionais e como a remuneração é tentadora, muitos acabam ingressando precocemente e na maioria das vezes sem a qualificação devida, colocando em risco não só o cliente que lhe contrata como também o seu negócio pensando em curto e médio prazo.

Essa preparação envolve desde capacitação técnica (através de cursos específicos as áreas de atuação como Personal Trainer, pós graduação em áreas como Fisiologia do Exercício, Treinamento Desportivo, Biomecânica, Treinamento para grupos especiais, entre outros), desenvolvimento comercial, marketing pessoal e técnicas de vendas.

2. Assumir trabalhos que fogem de sua especialidade:

Os clientes em potencial no mercado de Personal Trainer, em geral buscam profissionais altamente capacitados para confiar seus objetivos.

Muitos personais assumem trabalhos que vão além das áreas que se dedicaram a estudar, muitas vezes pelo atrativo econômico, deixando a desejar no planejamento, na condução das aulas, na tratativa e comunicação com o aluno/cliente, e na entrega de resultados.

3. Cobrar um preço muito baixo, desvalorizando seu produto:

Quando inicia-se a carreira como Personal Trainer, é comum cobrar um valor muitas vezes menor do que se mereça ganhar, com a ilusão de conquistar o espaço no mercado pelo preço “atraente”… Ian Brooks em seu livro, Seu Cliente pode pagar mais, explica que o preço nada mais é do que uma ponte entre o que o seu cliente deseja e as soluções que o produto ou um serviço tem para oferecer… Por isso conquiste o mercado de Personal Trainer não pelo preço, e sim pelas soluções que vão ao encontro às necessidades e desejos dos seus clientes.

4. Não reciclar seus conhecimentos:

Atualização constante é parte integrante na conduta de qualquer profissional que quer se destacar na carreira de Personal Trainer. A Ciência não para, e está em constante evolução como uma aliada, evidenciando novas estratégias nos campos do treinamento desportivo, estudos biomecânicos na prevenção de lesões e aumento de performance, nutrição, psicologia comportamental, comunicação, entre outras áreas. Desconhecer esses avanços e descobertas é viver em uma condição de “peixe fora d’água, onde o “eu acho” passa a dar chancela em suas tomadas de decisão.

5. Processo de aprendizagem falho:

Quando conduzimos uma sessão de treinamento personalizado, estamos nos comunicando o tempo inteiro, seja ensinando os movimentos na sala de musculação ou um exercício funcional mais complexo, devemos ter pleno domínio dos estilos de aprendizagem. Muitos alunos/clientes são auditivos, onde apenas uma explicação verbal é o suficiente para a assimilação do conteúdo ensinado. Outros são visuais, havendo a necessidade de ilustrar através de uma demonstração vinda do Personal Trainer ou outro recurso visual (vídeo, por exemplo), e temos também os alunos/clientes que chamamos de cinestésicos onde o contato e a percepção tátil fazem grande diferença no processo de aprendizagem. O Personal Trainer que não tem essa sensibilidade em identificar qual é o estilo de aprendizagem e não tem a habilidade de ensinar explorando esses estilos, põe em risco o processo de aprendizagem além de perder muito tempo para se chegar a correta adaptação e progressão do condicionamento físico.

6. Descuido com a própria saúde:

A rotina de aulas e a jornada de trabalho muito extensa, faz com que muitos profissionais deixem de lado sua própria saúde. Não conseguindo estabelecer uma rotina de treinamento regular, uma alimentação adequada, horas de sono que permita um descanso reparador, e esse estilo de vida vai contra o que um Personal Trainer que se preze, prega a seus alunos/clientes.

7. Falta de uma linguagem adequada:

O uso de gírias, expressões e escritas inadequadas podem causar uma impressão indesejada por parte de alguns clientes. Ao mesmo tempo que utilizar uma linguagem formal demais pode não cair bem quando se atende um público mais jovem. Nesse caso o bom senso impera. Identificar o perfil do aluno e enquadrar-se nessa tratativa de comunicação é garantia de sucesso na relação pessoal e efetividade na comunicação entre um Personal Trainer e seus clientes.

8. Atrasos e faltas:

Não há desrespeito maior com o próximo, do que o deixar esperando… Qualquer um se incomoda com isso, imagina o seu cliente que combinou uma sessão de treino às 7:00 contigo, ele chegou as 6:55 porque tempo pra ele é muito valioso, e você chega as 7:05. Tudo bem? É claro que podemos ter intercorrências em nosso dia-dia, mas não é disso que estou falando. Sabe aquelas pessoas que atrasam por hábito? Pessoas que não conseguem ser pontuais, terão sérios problemas na condução do seu negócio como Personal Trainer. Faltas injustificadas também tem um peso muito grande na fidelização dos seus alunos/clientes. Se um dos objetivos de um bom Personal Trainer é gerar sensações positivas em seus alunos/clientes, atrasos e faltas geram sensações de desrespeito, frustação, descompromisso e irresponsabilidade.

9. Não se importar com as queixas dos clientes:

Uma das condutas mais relevantes num relacionamento profissional ou afetivo para que você seja percebido como uma pessoa diferenciada, é a habilidade de saber ouvir. Segundo Dale Carnegie em seu livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas na era digital”, ser um bom ouvinte faz com que a outra pessoa seja notada e valorizada pelo que ela mais deseja, que é ser ouvida.

Muitas vezes vejo um ou outro Personal Trainer não dando ouvidos as queixas ou relatos dos seus alunos/clientes. Negligenciando informações valiosas que podem interferir na conduta ou na performance daquela sessão de treinamento. Portanto estar com os canais abertos para ouvir, interpretar e agir, é fundamental para que você atenda de maneira exclusiva e diferenciada.

10. Importar-se apenas com a aula:

Um Personal Trainer que se preze, tem em mente que a aula é apenas uma pequena parte do processo que vai conduzir o seu aluno/cliente ao que ele almeja. Muitos profissionais dão excelentes aulas e só, negligenciando e ou desconhecendo todas as outras ações e processos que envolvem a prestação de serviços de treinamento personalizado. Ter uma metodologia de trabalho que o conduza de maneira segura, rápida e eficiente rumo ao sucesso como Personal Trainer facilita a prospecção de novos clientes, a efetivação através das técnicas de vendas, orientação através de ferramentas que irão auxiliá-lo nesse processo de comunicação e fidelização através de ações que irão deixar seus clientes satisfeitos e fiéis a você por muito tempo.


Bibliografia

BROOKS I, Seu cliente pode pagar mais, 2ª ed.  Ed. Fundamento, São Paulo 2014

CARNAGIE D. COLE B., Como fazer amigos e influenciar pessoas na era digital, (Tradução Antonio Carlos Vilela), 1ª ed. Companhia Editora Nacional, São Paulo 2011

RICARDO SALLA - Educador Físico formado pela PUC Campinas, pós graduado em Fisiologia do Exercício e em Medicina Chinesa – Acupuntura. Personal Trainer desde 1997, atuando como preparador físico de atletas e não atletas. Proprietário do Studio de Personal Salla Saúde Integrativa e Treinador do método Coach 4.1 desde 2015.


PERSONAL COACH

Foto: divulgação