Futura Mamãe, Quer Ter Mais Saúde Durante A Gravidez? Exercite-se!

Há não muito tempo atrás, as gestantes eram advertidas a não realizarem atividade física devido ao suposto risco de parto prematuro. Entretanto, dados de uma recente revisão sugerem o oposto: mulheres que se exercitam ao longo da gravidez tendem a apresentarem menores chances de partos prematuros. E os benefícios da prática de atividade física durante a gestação não param por aí...confira no post de hoje!

É comum ouvir falar que pessoas com alguma vulnerabilidade devam se abster da prática de atividade física, como se esta fosse trazer uma dose extra de riscos e prejuízos. Essa ideia se aplica ao paciente com alguma doença crônica, ao idoso e à gestante. Nos dois primeiros casos, temos mostrado neste blog que esse pensamento é falso. E no que diz respeito à gestação: o exercício poderia conferir algum tipo de risco, como parto prematuro, um dos maiores riscos de mortalidade perinatal?

Essa foi exatamente a pergunta central de uma recente revisão (ver referência abaixo), que incluiu dados de 2.059 gestantes que participaram de estudos planejados para avaliarem os efeitos do exercício aeróbio durante a gravidez. Quando todos os dados foram analisados em conjunto, as mulheres que se exercitaram ao longo da gestação – com frequência de 2 a 4 vezes por semana e em sessões de 35 min a 1h30 de duração – não apresentaram riscos aumentados de parto prematuro (definido como aqueles com duração inferior a 37 semanas).

A revisão também demonstrou que a prática de exercícios foi associada com maiores chances de parto vaginal, menores chances de cesárea, bem como menores riscos de diabetes mellitus gestacional e desordens hipertensivas. Além disso, o exercício não aumentou os riscos de baixo peso ao nascer.

Por muitos anos, acreditou-se que o exercício pudesse aumentar os riscos de parto prematuro por estimular a secreção de hormônios como a noradrenalina, que podem aumentar a atividade do miométrio (camada muscular do útero). Por outro lado, sabemos, atualmente, que o exercício também pode atuar por outros mecanismos que, em teoria, evitam a prematuridade, como redução do estresse oxidativo e melhora da vascularização da placenta. A mensagem que essa nova revisão nos passa é que quando todas as ações do exercício se combinam, o tempo gestacional permanece estável e o risco de parto prematuro não é salientado.

Assim, podemos concluir que as gestantes saudáveis podem realizar, com segurança, exercícios aeróbios, que conferem proteção contra doenças graves, como diabetes e hipertensão.  É importante salientar que a gestante deve sempre procurar orientação de um profissional de Educação Física capacitado, que deverá ponderar os eventuais riscos da praticante (como, por exemplo, obesidade e outras complicações gestacionais) e planejar um programa de atividade física que traga saúde, prazer e bem- estar à futura mamãe e ao seu bebê.

Até a próxima!


Prof. Dr. Bruno Gualano

Blog Ciência InForma

www.cienciainforma.com.br

Foto: divulgação