Apesar Da Genética, é Possível Evitar Diabetes Tipo 2 Com Uma Vida Saudável

Especialista diz que muitos casos poderiam ser prevenidos com alterações no estilo de vida e prática de exercícios mesmo para pessoas com predisposição à doença

Essa semana aconteceu o Dia Mundial do Diabetes, com campanha de conscientização mundial em relação a doenças. Essa ação é de extrema importância, pois a maioria dos casos da doenças poderiam ser prevenidos com alterações no estilo de vida, principalmente com a prática de atividade física.

O armazenamento da gordura em excesso no organismo é a chave para as consequências adversas da obesidade, que resulta no desenvolvimento de resistência à insulina, um dos principais fatores de risco para diabetes tipo 2. A principal causa para esse acúmulo é a falta de atividade física.

Os índices de obesidade hoje indicam uma epidemia global que possui como consequência a alta incidência de doenças associadas como o diabetes, doenças cardiovasculares, entre outras. O processo chave para o desenvolvimento dessas doenças é a resistência progressiva à insulina, hormônio que controla os níveis de açúcar no sangue. Quando o corpo desenvolve a resistência à insulina, os níveis de açúcar no sangue e de lipídios aumentam, indicando um risco para o desenvolvimento de diabetes e doenças cardiovasculares.

Pesquisadores tentam entender porque algumas pessoas desenvolvem mais facilmente a resistência à insulina do que outras, e os fatores genéticos parecem ser fundamentais. Um grande grupo de estudos liderado pela Universidade de Cambridge, estudou mais de 2 milhões de variantes genéticas possivelmente associadas com a resistência à insulina em aproximadamente 200 mil indivíduos, buscando encontrar novos marcadores para essa condição clínica.

Foram identificadas 53 regiões do genoma associadas com a resistência à insulina e o risco para diabetes e doenças cardiovasculares. Apenas 10 dessas regiões já tinham sido identificadas como possíveis marcadores para essa alteração metabólica. Após estudo mais aprofundado com 12 mil participantes (EPIC-Norfolk), onde cada um passou por um escaneamento corporal para verificar a distribuição de gordura pelo corpo, foi verificado que um número maior de variantes de risco estava associado com menores quantidades de gordura sob a pele, particularmente na parte inferior do corpo.

Apesar desses resultados indicarem um forte peso dos genes no aumento do risco de desenvolvimento do risco de diabetes, hoje se sabe que é possível evitar a doença, mesmo com uma genética não favorável. Apenas o esforço terá que ser constante. Por isso, para quem possui um alto risco, a dieta com redução de carboidratos, a atividade física diária e a saúde intestinal em dia são fatores decisivos para evitar a maior parte das doenças crônicas.

Confira dicas para prevenir o diabetes tipo 2:

- Atividade física diária

- Alimentação com redução de carboidratos

- Equilíbrio da microbiota intestinal (influência nos picos de absorção da glicose)

- Otimização dos níveis de magnésio

- Utilização de carboidratos não refinados, integrais e de baixo índice glicêmico

- Utilização de fibras na alimentação

- Ingestão de alimentos que favorecem a prevenção, como maçã, melão amargo, frutas cítricas, aveia, canela, chá verde, legumes e peixes de água fria

Referências:

-Xi P1, Liu RH. Whole food approach for type 2 diabetes prevention. Mol Nutr Food Res. 2016 Aug;60(8):1819-36.

-Ardisson Korat AV, Willett WC, Hu FB. Diet, lifestyle, and genetic risk factors for type 2 diabetes: a

review from the Nurses' Health Study, Nurses' Health Study 2, and Health Professionals' Follow-up Study. Curr Nutr Rep. 2014 Dec 1;3(4):345-354.

-Lotta LA, et al., Integrative genomic analysis implicates limited peripheral adipose storage capacity in the pathogenesis of human insulin resistance. Nat Genet. 2016 Nov 14.

Eu Atleta/G1

Foto: Getty Images