Saiba Como A Mudança No Estilo De Vida Contribui Para A Gestão Do Diabetes

As estatísticas sobre o diabetes são surpreendentes. Um levantamento global, publicado recentemente, descobriu que 422 milhões de adultos viviam com diabetes em 2014, quatro vezes mais do que em 1980. Para 2025, espera-se que o número supere os 700 milhões.

Esses dados mostram que o diabetes é um grave problema de saúde pública, mas que pode ser controlado e, em alguns casos, até evitado. Um fator de risco preocupante é que a maioria das pessoas que desenvolve a doença está acima do peso ou é obesa. Por isso, as mudanças no estilo de vida e na alimentação são essenciais para as pessoas com diabetes viverem bem e diminuir os graves riscos da doença.

Gerenciar o diabetes com pequenas mudanças

Quando as pessoas são diagnosticadas com diabetes, muitas vezes podem achar que sua alimentação nunca mais será a mesma, porém, com o controle da doença, é possível que elas tenham uma vida ativa e normal. “Além do monitoramento da glicose e do uso de medicação quando necessário, as pessoas podem controlar a doença por meio de exercícios físicos e mudanças na dieta. E, muitas vezes, são as pequenas mudanças que trazem os maiores resultados”, observa Patrícia Ruffo, nutricionista e Gerente Científico do negócio Nutricional da Abbott no Brasil.

A perda de peso para pessoas com diabetes tipo 2, por exemplo, pode ter um impacto enorme. Para alguém que vive com diabetes, ao perder 5% ou mais do seu peso corporal2 mantendo a massa muscular, pode contribuir para:

· melhorar os níveis de açúcar no sangue

· otimizar o uso da insulina

· reduzir a necessidade de medicamentos para diabetes

· baixar a pressão arterial

· diminuir os fatores de risco para doenças cardíacas

E para controlar o diabetes e perder peso quando necessário, o ideal é escolher alimentos saudáveis, como frutas, legumes, grãos integrais, laticínios sem gordura, feijão e carnes magras.

Seja exigente com os carboidratos

Além de monitorar a quantidade de carboidratos que você come, é necessário concentrar-se em comer e beber os tipos corretos de carboidratos3: alimentos e bebidas que minimizam a reação do açúcar no sangue, enquanto fornecem uma boa fonte de fibra.

Os horários das refeições também são muito importantes, pois pular refeições pode tornar o controle da glicemia mais difícil. Por isso, fazer refeições regulares, com uma rotina de intervalo entre as refeições, pode ajudar a evitar excessos e controlar os níveis de açúcar no sangue. Para evitar grandes intervalos entre as refeições principais, torna-se necessário realizar lanches entre estes períodos.

“Lanches saudáveis podem ser grandes aliados para evitar que se coma demais na hora das refeições. Comer em excesso pode levar à queda de açúcar no sangue”, alerta Patrícia.

Finalmente, lembre-se de 3 dicas para perder peso enquanto controla o diabetes:

1. Defina metas realistas

É mais fácil conduzir uma mudança gradual. Transforme os objetivos em metas menores, por exemplo, quando for necessário perder peso, ao invés de estabelecer um número para perda do peso, meça com uma fita métrica as alterações na cintura, quadril, coxas e braços.

2. Mantenha um diário alimentar

Planeje suas refeições antecipadamente e mantenha o plano. Certifique-se de contabilizar todos os alimentos e bebidas por pelo menos duas semanas. Isso ajudará a identificar o verdadeiro tamanho das porções. Além disso, anote como se sente antes e depois de comer, isso pode ajudar a determinar os gatilhos que provavelmente levam você a comer, como estresse, tédio e ansiedade.

3. Exercite-se regularmente

De acordo com a Associação Americana de Diabetes (American Diabetes Association), exercitar-se de forma constante pode reduzir a glicemia e melhorar os níveis de A1C (teste de hemoglobina glicada). A associação recomenda pelo menos 30 minutos de exercícios físicos moderado cinco dias por semana ou um total de 150 minutos semanais.

“É importante ter em mente que hábitos simples na rotina, que incluem alimentação saudável e a prática de atividades físicas regularmente, podem trazer benefícios não somente para o tratamento, mas principalmente para a prevenção da doença”, orienta.


SEGS

Saúde

Foto: divulgação