O Obeso Não é O Grande Culpado

A grande epidemia do terceiro milênio é o excesso de peso. A obesidade é cada vez mais prevalente. Por conta disso, existe também um grande aumento de hipertensos, diabéticos e doentes cardiovasculares.Isto eleva muito os custos da assistência médica. Por que isso está acontecendo?

Seriam só as condições da vida moderna a principal causa desse grande aumento? O estilo de vida atual é extremamente sedentário, o que fez diminuir muitos os gastos calóricos na realização de nossas atividades. Alám disso, existe maior quantidade de comida disponível. A indústria alimentícia produz cada vez mais alimentos extremamente calóricos.

Estabeleceu-se que os indivíduos que desenvolvem excesso da sua quantidade de gordura são os grandes culpados pelo que lhe acontece.

São muitas as críticas que a sociedade imputa aos gordos. Não são capazes de controlar a sua ingesta de alimentos, não realizam atividades físicas como deveriam, têm problemas emocionais, ingerem álcool mais do que seria ser aceitável, etc. Também não se preocupam com as repercussões negativas que a obesidade acarreta sobre sua saúde. Por conta dessa imagem de irresponsabilidade que a medicina criou, os obesos sofrem grandes discriminação.

Discriminação iniciada na infância persiste e se agrava com o decorrer dos anos. Ela ocorre em todos os setores da vida social, no esporte no amor, no trabalho, na política no preço do seguro de vida, etc. Isto torna, sem dúvida, a vida dos gordos muito mais difícil do que os que têm o peso normal. Seriam as condições de vidas atuais as únicas causas da epidemia da obesidade? Claro que não.

Afinal, existem milhões de pessoas que vivem neste estilo de vida e têm peso normal. Além disso, muitos dos não obesos têm vários dos “defeitos” que se imputa aos obesos. São extremamente sedentários, têm problemas emocionais, algumas vezes graves, ingerem grandes quantidades de álcool. Alimentam-se com muitas calorias. Inclusive muitos deles com quantidades muitos maiores do que obesos. E por que isto acontece?

Sabemos da existência de um forte componente genético. Filhos de obesos têm muitos mais chance de apresentar o problema. Porém, até hoje, não se consegue explicar qual o mecanismo pelo qual algumas pessoas têm uma tendência de aumentar a sua quantidade de gordura corporal. Isto, inclusive, explica os resultados extremamente precários que a medicina oferece para enfrentar o problema.

Mais de 90% dos que tentam não conseguem os objetivos: perder o excesso de gordura e manter esta perda. Resultado: milhões de pessoas tentam se tratar sem sucesso. A obesidade não é só muito prevalente, mas continua a aumentar.

A medicina está em grande dívida com os obesos. Pesquisas recentes têm sugeridos que algumas substâncias podem ter um papel importante nas etiologias do excesso de peso. São chamados disrruptores hormonais.

Substâncias que alteram a secreção e ação de vários hormônios e estão presentes nos ambientes que convivemos. Elas também têm a capacidade de agir sobre o DNA celular modificando em definitivo as suas ações. Um dos exemplos mais citados é o bisfenol, em que é o componente dos plásticos. Imagine o grau de contacto que temos com ele durante nossas vidas.


FOLHA PE

Vida Saudável -  Dr. Ney Cavalcanti

Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco