Blogueiros Não São Personal Trainers, Alerta Conselho

Pessoas que buscam entrar em forma ou adquirir massa muscular têm se sujeitado cada vez mais a todo tipo de "profissional" não-qualificado.

 De blogueiro a professor de fim de semana, passando por personal trainers sem formação profissional, muitos se arriscam nas mãos de pessoas despreparadas.

 No entanto, o que os "atletas" precisam saber é que milagres não existem. Para perder peso, ou ganhar massa muscular, é preciso treinamento, extrema dedicação, equilíbrio, paciência e ajuda profissional qualificada.

 Além do mais, as pessoas que forem pegas dando aulas sem a autorização podem ser presas por exercício ilegal da profissão e até mesmo falsidade ideológica.

 “As leis para esta prática são brandas. Elas deveriam ser mais severas”, diz o presidente do Conselho Regional de Educação Física (Cref) de Mato Grosso, Carlos Alberto Eilert.

 Segundo Eilert, trata-se de uma contravenção penal, que, em caso de reincidência, pode dar de seis meses a dois anos de prisão.

Não existe isso de ‘aprendeu e quer passar para a frente’. A Educação Física é igual as demais profissões, como a do médico que tem que passar pela faculdade de medicina, o advogado que tem que passar no exame da OAB.

De acordo com um levantamento realizado pelo Cref, no ano passado 49 pessoas foram autuadas sem o registro no conselho - ou uma média de pouco mais de 4 por mês. E, em 2017, até o maio, já haviam sido 54, o que dá uma média mensal de quase 11. Ou seja, durante esse período houve um aumento de mais de 170% nas autuações.

Eilert afirma que, em razão do grande aumento de pessoas que se acham aptas a dar aulas, também aumentaram os riscos à saúde.

“Isso tem trazido serios riscos à saúde das pessoas. A gente tem tentado coibir, mas eles estão se mantendo. Porque a moda agora é essa: a pessoa começa, aprende com um profissional e aí cria um grupo achando que está apto a ensinar”.

Para tentar coibir a prática, o Cref aumentou a intensidade de fiscalizações.

 “Hoje em dia a fiscalização está mais intensa. A gente tem descoberto, não só nas academias, mas nos pseudo grupos de corrida, que nós chamamos de piratas – que são aquelas pessoas que atentam contra a saúde do cidadão. Essas pessoas procuram, na atividade física, ser um profissional qualificado e isso tem trazido sérios riscos. Muitas vezes é um blog, onde alguém fala que emagreceu e as pessoas vão procurá-la. Mas blogueiros não são personal trainers”. Explicou.

 Fiscalizações

Apesar do setor de fiscalização do Cref ser precário, por possuir apenas dois fiscais, Eilert explica que, desde o final do ano passado, estão visitando pelo menos até quatro academias por dia.

 “Teoricamente estamos num Estado com 900 mil quilômetros quadrados, tendo apenas dois fiscais para dar conta da Capital e interior. Mas é preciso lembrar que os profissionais de Educação Física também são fiscais. Eles podem denunciar, e a sociedade também precisa aprender a fazer isso. Esperamos que eles aprendam”.

 O presidente afirma que um novo concurso público para conselheiro do Cref está previsto para acontecer ainda este ano, o que ele acredita que melhorará ainda mais as fiscalizações.

 Falisificações

 Outra situação que ocorre constantemente é o uso de diploma falso.

 “A quantidade de diplomas falsos que estão sendo pegos é inacreditável. As pessoas estão comprando diplomas a ‘rodo’. Este ano flagramos vários diplomas. Isso tem feito com que o registro no Cref demore para sair, porque nós não estamos mais registrando somente com o diploma, agora só registramos quando a faculdade diz que o aluno realmente concluiu o curso”, contou.

 Como saber se o profissional é qualificado?

 O presidente do Cref explica que uma pessoa que queria ajuda para treinamentos físicos precisa parar de olhar o corpo e indagar se realmente aquele profissional está apto a ajudar.

 Para não correr o risco de ter algum problema de saúde, quando for contratar um personal trainer, é necessário cobrar dele a cédula de identidade do Cref.

Com a internet hoje, as pessoas acham que basta pesquisar um pouquinho e já virou craque para receitar anabolizantes, craque para tudo

 “O profissional tem que ter uma cédula de identidade. Se não tiver, não adianta, ele não é licenciado para dar aulas. O mesmo acontece dentro das academias: se o profissional não tiver a cédula de identidade e for de conhecimento do responsável, o estabelecimento pode até ser interditado, além da multa”.

“O aluno tem que começar a pensar até que ponto essas pessoas sabem sobre atividade física. Porque, com a internet hoje, as pessoas acham que basta pesquisar um pouquinho e já virou craque para receitar anabolizantes, craque para tudo. O que as pessoas têm que entender é que elas precisam ter apenas uma vida saudável. Se você caminhar 30 minutos diários, está ótimo”, explicou.

 Segundo Eilert, qualquer pessoa pode denunciar se houver a suspeita de que uma academia possa estar irregular ou  que um personal esteja exercendo a profissão sem a licenciatura.

 Estas denúncias podem ser feitas por meio do site de qualquer Cref do Brasil.


MIDIA NEWS

Cotidiano

Foto: divulgação